Você está aqui

Plataforma R4V apoia Operação Acolhida na retomada dos atendimentos a refugiados e migrantes venezuelanos em Manaus

Uma semana após enxurrada que destruiu Posto de Interiorização e Triagem e Alojamento de Trânsito de Manaus, serviços são reabertos em ação conjunta envolvendo Forças Armadas, agencias da ONU, organizações da sociedade civil e governos locais

 

Manaus, 12 de maio de 2021 – Refugiados e migrantes venezuelanos que buscam regularização migratória, emissão de documentos e outros serviços na capital do Amazonas já podem contar com um novo atendimento centralizado por parte da Operação Acolhida, resposta humanitária do Governo Federal ao fluxo desta população para o Brasil. Desde terça-feira (11), uma semana após as fortes chuvas terem destruído as estruturas do Posto de Interiorização e Triagem (PiTRIG) e o Alojamento de Trânsito da cidade (ATM), a Base de Operações de Manaus (Av. Mário Ipiranga, 3280) é o novo local disponível.

No atual PiTRIG, a população venezuelana poderá fazer a solicitação para demandas de residência temporária ou reconhecimento da condição de refugiado no Brasil, emissão de CPF, cadastro para a estratégia de interiorização do Governo Federal, entre vários outros serviços oferecidos pelas agências da ONU e organizações da sociedade civil que integram a Plataforma R4V – Resposta a Venezuelanos e Venezuelanas, composta por 48 parceiros no país - além da Polícia Federal e Receita Federal, também presentes.

Uma cerimônia militar marcou a inauguração da nova estrutura, que conta com área de espera com dois espaços cobertos de 40 m2, obedecendo a todos os protocolos de segurança para prevenção à Covid-19, e onde os beneficiários receberão orientações e serão direcionados para o atendimento necessário.

Logo após o evento, os beneficiários começaram a ser atendidos. Somente para cadastro para serviços de pré-documentação de regularização migratória e exames de saúde para interiorização foram mais de 100 pessoas recebidas em um único dia.

O venezuelano Carlos N. estava entre os beneficiados pela ação. Residente no Brasil há quatro anos, Carlos quer agora reunir a família, que vive parte em Manaus e parte em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Nesta terça, ele, a esposa e as duas filhas, foram atendidos para renovar os documentos de residência e depois fazer o cadastro na estratégia de Interiorização.

“Cheguei no Brasil com minha esposa e filha mais nova, e aqui percebi a importância da documentação. Apesar da pandemia, pude também me reunir agora com minha filha mais velha e estamos juntos aqui para ter acesso aos nossos documentos atualizados. Depois disso, quero viajar rumo ao Sul do país, para reencontrar o restante da minha família. Agradeço muito a oportunidade e o apoio da Operação Acolhida”, declarou Carlos.

Ele também comentou sobre o incidente no antigo PiTRIG e lamentou o ocorrido. “Foi muito triste o que aconteceu lá, mas agora, aqui, também temos a garantia de que vamos ter atendimentos para todos novamente”, disse.


No novo espaço que se destina ao Alojamento de Trânsito, Andrelys espera junto com os dois filhos e o marido, o embarque para Foz do Iguaçu. © Foto: OIM/Cláudio Trindade

Vila Olímpica

Nesta quarta-feira (12), complementando a resposta dada aos danos causados pelas chuvas, a Fundação Amazonas de Alto Rendimento (FAAR), do Governo do Estado do Amazonas, formalizou a cessão à Operação Acolhida dos alojamentos da Vila Olímpica para abrigar os refugiados e migrantes em trânsito por Manaus que participam da estratégia de interiorização. A área vinha sendo usada desde a semana passada, e já abrigou 197 beneficiários neste período. Com o ato desta quarta-feira, o espaço poderá ser usado por pelo menos dois meses, até que sejam providenciadas estruturas definitivas.

Nesse novo espaço que se destina ao Alojamento de Trânsito, o clima também é de gratidão. Andrelys M., 22 anos, saiu de Boa Vista (RR) na semana passada e agora espera, junto com os dois filhos e o marido, o embarque para Foz do Iguaçu, no Paraná, onde vão reencontrar os primos.

"Estamos muito felizes de poder reencontrar nossos familiares no Sul do Brasil. Enquanto isso, aqui no abrigo da Vila Olímpica podemos nos manter descansados, porque estamos em segurança e em um ambiente confortável, me sinto agradecida por isso. Estamos muito contentes com esse apoio", declarou Andrelys.

Nas cerimônias de reinauguração desta semana, estiveram presentes as Forças Armadas, agências da ONU (OIM, ACNUR, UNICEF e UNFPA), Prefeitura de Manaus, Governo do Estado do Amazonas, Polícia Federal, Receita Federal, além das organizações da sociedade civil como Fraternidade Internacional, Cruz Vermelha Brasileira, Instituto Mana e Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

 

Incidente em Manaus

Na última semana, uma enxurrada causada por fortes chuvas em Manaus destruiu a estrutura do Pitrig e inundou a área do ATM, comprometendo parte dos equipamentos. Cerca de 100 venezuelanos estavam em atendimento no PiTRIG, além de 81 beneficiários que estavam alojados no ATM. No mesmo dia, as agências e organizações da Plataforma R4V prestaram atendimento às pessoas que estavam no local e coordenaram com a Operação Acolhida e autoridades locais a realocação de refugiados e migrantes em abrigos temporários. Não houve feridos graves.

Garantindo a segurança e abrigamento dos refugiados e migrantes, aqueles que se encontravam no ATM para a interiorização foram realojados na Vila Olímpica de Manaus, espaço cedido pela Fundação de Alto Rendimento do Estado Amazonas (FAAR) pelos próximos dois meses.

A Plataforma R4V seguirá apoiando a resposta emergencial em Manaus para manter acolhimento e assistência à população de interesse.