Você está aqui

Dia Internacional da Menina

Declaração da Diretora Executiva do UNFPA, Dra. Natalia Kanem, sobre o Dia Internacional da Menina

11 de outubro

 

Meninas nascem com poder. Cada menina traz dentro de si possibilidades que devem florescer à medida que avança para a idade adulta, moldando seu futuro e, com ele, o mundo. 

Vemos exemplos disso em toda parte, nas meninas na vanguarda dos movimentos que clamam por justiça climática, educação universal e muito mais. A marca transformadora de mulheres incríveis - aquelas cujo potencial foi realizado - é visível em todos os lugares, desde a legislação para vacinas que salvam vidas até as fronteiras da tecnologia.

Mas, há muitas meninas no mundo cujo poder inerente não é realizado. Seus direitos são negados, suas escolhas e chances de prosperar são prejudicadas. Como resultado, todos nós perdemos o que essas meninas poderiam alcançar, os dons que sua visão, engenhosidade e paixão poderiam oferecer ao mundo. 

Hoje, ao comemorarmos o Dia Internacional da Menina, celebramos as meninas da geração digital. Elas estão aproveitando o poder das novas tecnologias para construir um futuro melhor para todas as pessoas. No entanto, ao fazermos isso, devemos também chamar atenção urgente para aquelas deixadas para trás pela discriminação de gênero que sistematicamente limita as meninas, agora e ao longo de suas vidas. Essas desigualdades se estendem à internet, que as meninas ainda usam menos do que os meninos - até quatro vezes menos em alguns países. Essa exclusão digital aumenta as disparidades de gênero de longa data. 

A pandemia COVID-19 mostrou como as desigualdades podem se multiplicar rapidamente: com o fechamento de escolas, as meninas que não têm acesso à internet têm sofrido perdas em educação, informações sobre saúde e cuidados. Em muitos lugares, meninas que não recebem educação enfrentam um risco maior de serem casadas contra sua vontade. A realização de muitos direitos é cada vez mais baseada no acesso digital, que pode ajudar as meninas a encontrar informações, se conectar com seus pares, construir movimentos sociais, explorar suas identidades, acompanhar seu ciclo menstrual e encontrar ajuda para assédio ou violência. 

Sem esse acesso, as meninas enfrentam grandes barreiras para alcançar sua saúde e direitos sexuais e reprodutivos e autonomia corporal. Aquelas que estão em campos de refugiados ou em comunidades pobres podem não ter opções de serviços próximos que atendam às suas necessidades de saúde sexual e reprodutiva com gentileza e compreensão. A vergonha ou constrangimento que elas podem sentir ao fazer perguntas sobre sexo ou identidade de gênero é mais facilmente superada no anonimato do mundo online.

As tecnologias digitais têm suas desvantagens, é claro. As meninas com acesso a essas tecnologias enfrentam riscos crescentes de várias formas de ciberviolência. O acesso para meninas com deficiência continua insuficiente e a disponibilidade de idiomas locais é muito limitada. Essas questões também refletem desequilíbrios prejudiciais de poder entre os gêneros. 

Não devemos tolerar um mundo digital que reforça a desigualdade. Em vez disso, vamos usar essas ferramentas para eliminar a lacuna de poder de gênero para as meninas. Podemos fazer isso por meio de projetos como o Mandukhai, um novo chatbot desenvolvido pelo UNFPA para alcançar adolescentes da Mongólia com informações precisas sobre saúde sexual e reprodutiva. Vamos aplicar essas tecnologias para ajudar as meninas a conquistar seus direitos e garantir sua autonomia corporal. Foi o que aconteceu quando uma jovem na Índia usou as informações fornecidas por um serviço móvel de 'educação e entretenimento' apoiado pelo UNFPA para salvar uma amiga do casamento infantil. 

As meninas não estão apenas usando essas ferramentas; elas as estão criando. Vamos apoiá-las. O UNFPA se associou a parceiros do setor privado em vários países para fornecer a orientação e os recursos de que as meninas precisam para projetar soluções digitais inovadoras para um futuro mais igualitário.

Juntos e juntas, vamos criar um mundo digital que seja acessível e seguro para todas as pessoas, e construir um futuro no qual cada garota seja capaz de realizar seu pleno potencial e poder.

Este texto é uma tradução. Confira a versão em inglês clicando aqui.