Statement

Declaração Conjunta da ONU sobre o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres

25 Novembro 2018
Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, 25 de novembro (UNFPA Brasil/Divulgação)

Declaração feita pelos chefes das agências UNFPA, PNUD, UNICEF e ONU Mulheres pedindo pela solidariedade às sobreviventes, defensores das sobreviventes e defensores dos direitos humanos das mulheres que estão trabalhando para prevenir e acabar com a violência contra mulheres e meninas.

Neste ano, para comemorar o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, UNA-SE - Campanha do Secretário-Geral das Nações Unidas pelo Fim da Violência Contra as Mulheres pede para nos solidarizarmos com as sobreviventes, defensores das sobreviventes e defensores dos direitos humanos das mulheres que estão trabalhando para prevenir e acabar com a violência contra mulheres e meninas. Nosso dever não é apenas nos solidarizar com essas pessoas, mas também intensificar nossos esforços para encontrar soluções e medidas para acabar com esse flagelo global evitável e que tem um impacto negativo na vida e na saúde de mulheres e meninas.

O último ano tem sido notável em termos de conscientização sobre a extensão e a magnitude das diferentes formas de violência infligidas a mulheres e meninas. A campanha #MeToo (EuTambém) - um dos movimentos sociais mais virais e poderosos dos últimos tempos - trouxe essa questão para o centro das atenções. Esta consciência foi ainda reforçada pelo Prêmio Nobel da Paz em 2018 entregue a dois ativistas notáveis, Nadia Murad e Denis Mukwege, que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres em situações de conflito.

Em todo o mundo, mais de um terço das mulheres têm sofrido violência física ou sexual em algum momento de suas vidas. Além disso, pesquisa indica que o custo da violência contra as mulheres pode chegar anualmente a cerca de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) global. Isso equivale a 1,5 trilhão de dólares.

Além de aumentar a conscientização, os governos, o setor privado, a comunidade artística, as organizações da sociedade civil, a academia e os cidadãos engajados estão novamente buscando novas formas de chamar a atenção urgentemente para esse flagelo global.

Por mais de 20 anos, o Fundo Fiduciário da ONU para Eliminar a Violência contra a Mulher tem investido em iniciativas nacionais e locais que traduzem compromissos de políticas em benefícios reais para mulheres e meninas, além de contribuir para a prevenção da violência a longo prazo.

Como parte da ação “The Spotlight Initiative to eliminate violence against women and girls”, uma parceria global de vários anos entre Nações Unidas e União Europeia, estamos trabalhando com diferentes parceiros para aumentar a escala e o nível de ambição de nossas intervenções. Entendemos que reduzir e prevenir a violência contra as mulheres é transformador: melhora a saúde das mulheres e crianças; reduz os riscos de contrair o HIV e Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST); melhora a produtividade econômica e o nível educacional e reduz os riscos de doenças mentais e do abuso de substâncias, entre outros benefícios.

Por meio da Iniciativa Spotlight, nossas agências têm mobilizado vários stakeholders para abordar tanto a raiz do problema da violência quanto suas consequências mais imediatas. Em consonância com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a iniciativa integra totalmente o princípio de não deixar ninguém para trás. A Iniciativa Spotlight também se baseará nas boas práticas existentes e no desenvolvimento de programas baseados em evidências, além de incorporar novas soluções para resultados mais rápidos.

A família ONU está trabalhando incansavelmente com nossos parceiros para fortalecer estruturas e instituições legais, melhorar os serviços para as sobreviventes e abordar as causas que são raiz da violência, desafiando normas e comportamentos sociais e combatendo as desigualdades mais amplas de gênero.

Acabar com a violência contra mulheres e meninas não é um esforço de curto prazo. Requer esforços coordenados e sustentados de todos e todas nós. Mostrar que esses esforços produzem resultados é o melhor tributo às sobreviventes e aos defensores das sobreviventes e defensores dos direitos humanos das mulheres que estamos celebrando hoje.