News

Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil realiza avaliação e projeta ações para 2021

8 Dezembro 2020

Representantes do setor privado e do Fundo de População da ONU compartilharam boas práticas e planejaram ações coordenadas para o próximo semestre

Construir encaminhamentos para o próximo ano, compartilhar experiências e expor os resultados de consulta com mantenedores e signatários foram os principais pontos da reunião da da Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil, realizada na última quinta-feira (03).

A Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil é uma rede de empresas e organizações filantrópicas que busca fortalecer a agenda de saúde e de direitos sexuais e reprodutivos no setor privado, além de criar oportunidades para qualificar o debate público e demonstrar o potencial de políticas públicas direcionadas a este tema. A Aliança atua desde 2018, e é uma iniciativa do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) que conta com  MSD/Merck, Instituto Ethos e Semina como mantenedoras e Accor Hotels, Magazine Luiza, Movimento Mulher 360, Pantys, Jontex (Reckitt Benckiser), Laboratório Sabin, SESC, Clue App e The Body Shop como signatárias. 

“A relação desse grupo é muito importante, pois em 2021, o UNFPA e toda ONU vão desenhar um novo plano de ação. A Aliança foi pensada num momento diferente, mas a situação da pandemia trouxe um enfoque nos direitos sexuais e reprodutivos que estão sob pressão. Temos que enfrentar esse déficit de novas maneiras, e a essência de nossa colaboração da Aliança é unir esforços para enfrentar essa situação”, afirmou na abertura da reunião Astrid Bant, representante do UNFPA no Brasil. 

Como ponto principal de pauta, o encontro teve a apresentação de consulta avaliativa realizada com os membros da Aliança. A sistematização realizada por Elenice Tamashiro e Fabiana Toyama (Blossom/Leminiscata) entrevistou mantenedores e signatários para consolidar as ações no nível estratégico, tático e operacional. Entre os resultados, se destaca no nível estratégico a busca de alinhamento de causas em prol da mulher, produção de conhecimento, e as expectativas no desenvolvimento de advocacy, engajamento com poder público, e mais ampla articulação com o setor privado. 

A consultoria expôs a busca por uma agenda transversal das/dos participantes, e como temas prioritários para os membros são: garantia de liberdade sexual, autonomia da mulher, integridade e segurança, escolhas livres e responsáveis, informação e exercício às formas de expressão sexual, e práticas brasileiras da saúde feminina, entre outros. 

“Esse espaço da Aliança é muito importante e estratégico, e queremos mais aproximações para agregar a atuação nos territórios. (...) O tema gênero é uma agenda grande e sensível que deve ser introduzido nas empresas, e a pauta da Aliança é transversal, e precisamos usá-la com outros recortes para que encontremos uma sinergia para ações conjuntas”, disse Scarlett Rodrigues, analista de Projetos em Práticas Empresariais e Políticas Públicas do representante do Instituto Ethos. 

Magda Kiehl, representante do Grupo AccorHotels, destacou os desafios de 2020 e a necessidade de intensificar a relação entre os membros para o compartilhamento de experiências e gerar uma agenda objetiva baseada nas práticas de cada organização. E Gabriela Marcotti, uma das representantes da Pantys na reunião, enfatizou a potência do alinhamento entre as/os participantes para promover ideias e ações criativas que geram maior engajamento.    

Ao final da reunião, se pactuou um novo cronograma mensal de encontros durante o primeiro semestre de 2021, e o primeiro terá como tema governança para estruturar as variadas formas de atuação da Aliança e seus membros no próximo ano.
 

UNFPA apresenta suas atividades de enfrentamento ao contexto da pandemia

A última reunião do ano da Aliança também teve espaço para apresentação de atividades recentes desenvolvidas pelo UNFPA como respostas à pandemia de Covid-19.

Entre as ações de 2020 apresentadas por Júnia Quiroga, Representante Auxiliar do UNFPA Brasil, se evidenciou produtos comunicacionais, como a série de webinários, e os avanços regionais realizados nos estados da Bahia, Pará, Amazonas, Roraima e Distrito Federal com destaque para o projeto Saúde das Manas. Uma ação de fortalecimento do sistema de saúde na Ilha do Marajó, com a instalação de salas de telemedicina para consultas de ginecologia e obstetrícia na ilha do Marajó no Pará. 

Além de outras ações como a entrega de Kits Dignidade e o investimento de R$ 2,8 milhões em fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para profissionais de saúde

Júnia Quiroga ainda citou o fortalecimento das área de gênero e juventude do UNFPA, e avaliou como positiva a nova ação da campanha Ela Decide que traz uma parceria firmada com a revista AzMina e dá continuidade às ações apoiadas pela Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil com conteúdos sobre saúde sexual, reprodutiva e direitos voltados a jovens mulheres

 

_____________________________

 

VOCÊ JÁ OUVIU O PODCAST "FALA, UNFPA"?

O Fundo de População das Nações Unidas no Brasil lançou o podcast "Fala, UNFPA" que aborda temas como saúde sexual e reprodutiva, equidade de gênero, raça e etnia, população e desenvolvimento, juventude, cooperação entre países do hemisfério sul e assistência humanitária. Tudo isso, claro, a partir de uma perspectiva de direitos humanos. Saiba mais clicando aqui.