Planejamento reprodutivo

Acesso ao planejamento reprodutivo seguro e voluntário é um direito humano. Planejamento da vida reprodutiva é essencial à igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, além de ser um fator chave para a redução da pobreza. No entanto, em regiões em desenvolvimento, cerca de 214 milhões de mulheres que querem evitar gravidezes não estão usando métodos contraceptivos devido a razões desde falta de acesso à informação e serviços ou falta de apoio de seus parceiros e comunidades.

Todos os anos, milhares de meninas e mulheres levam a cabo gravidezes não planejadas. Isso ameaça a possibilidade delas de construir um futuro melhor para si mesmas, suas famílias e suas comunidades. Quando uma adolescente ou uma jovem mulher pode planejar sua vida reprodutiva, suas opções na vida se multiplicam.

Elas podem finalizar seus estudos sem o risco de uma gravidez e desenvolver projetos de vida: as perspectivas de emprego aumentam e as vulnerabilidade se reduzem. As chances de que essa jovem permaneça na pobreza e à margem da sociedade se reduzem consideravelmente, assim como as de que seus filhos e filhas se prendam a essa situação e a multipliquem nas gerações seguintes.

Vivemos hoje uma situação em que as maiores demandas por serviços e insumos de planejamento familiar estão nas camadas mais pobres da população.
O UNFPA trabalha para apoiar o planejamento familiar das seguintes formas:
- Garantindo um fornecimento constante e confiável de contraceptivos de qualidade;
- Fortalecendo os sistemas nacionais de saúde;
- Advogando políticas que apoiem o planejamento familiar;
- Reunindo dados para apoiar o tema;
- Fornecendo liderança global no aumento do acesso ao planejamento familiar;
- Convocando parceiros - incluindo governos - para desenvolver evidências e políticas;
- Oferecendo assistência programática, técnica e financeira aos países em desenvolvimento;

Acesso ao planejamento reprodutivo seguro e voluntário é um direito humano. Planejar a vida reprodutiva é essencial à igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, além de ser um fator chave para a redução da pobreza. No entanto, em regiões em desenvolvimento, cerca de 214 milhões de mulheres que querem evitar gravidezes não estão usando métodos contraceptivos devido a razões desde falta de acesso à informação e serviços ou falta de apoio de seus parceiros e comunidades. 
 
Todos os anos, milhares de meninas e mulheres levam a cabo gravidezes não planejadas. Isso ameaça a possibilidade delas de construir um futuro melhor para si mesmas, suas famílias e suas comunidades. Quando uma adolescente ou uma jovem mulher pode planejar sua vida reprodutiva, suas opções na vida se multiplicam. 
 
Elas podem finalizar seus estudos sem o risco de uma gravidez e desenvolver projetos de vida: as perspectivas de emprego aumentam e as vulnerabilidade se reduzem. As chances de que essa jovem permaneça na pobreza e à margem da sociedade se reduzem consideravelmente, assim como as de que seus filhos e filhas se prendam a essa situação e a multipliquem nas gerações seguintes. 
 
Vivemos hoje uma situação em que as maiores demandas por serviços e insumos de planejamento familiar estão nas camadas mais pobres da população. 
O UNFPA trabalha para apoiar o planejamento familiar das seguintes formas:
- Garantindo um fornecimento constante e confiável de contraceptivos de qualidade; 
- Fortalecendo os sistemas nacionais de saúde; 
- Advogando políticas que apoiem o planejamento familiar; 
- Reunindo dados para apoiar o tema; 
- Fornecendo liderança global no aumento do acesso ao planejamento familiar; 
- Convocando parceiros - incluindo governos - para desenvolver evidências e políticas;
- Oferecendo assistência programática, técnica e financeira aos países em desenvolvimento;