Projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência

A ITAIPU Binacional e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) firmaram, em abril de 2018, uma parceria com o objetivo de atender 54 municípios do Oeste do Paraná e também a algumas localidades da província argentina de Misiones, na região de fronteira com o Brasil.

A ITAIPU Binacional e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) firmaram, em abril de 2018, uma parceria com o objetivo de atender 54 municípios do Oeste do Paraná e também a algumas localidades da província argentina de Misiones, na região de fronteira com o Brasil.

A parceria tem o compromisso de desenvolver políticas públicas voltadas para a prevenção e redução da gravidez não intencional na adolescência. O protocolo de intenções foi firmado pelo diretor-geral brasileiro da ITAIPU Binacional, Marcos Stamm, e o representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal. A parceria reforça as ações desenvolvidas na região pela Itaipu por meio do GT Saúde, especialmente as voltadas à educação sexual de adolescentes e jovens.

 

Programa específico para o Oeste do Paraná

A parceria entre a ITAIPU Binacional e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) tem como objetivo alcançar os 54 municípios do Oeste do Paraná e trazer uma experiência positiva para a Tríplice Fronteira. O Programa está sendo desenvolvido a partir de informações, serviços, estratégias de comunicação, produção e análise de dados que permitam desenvolver políticas públicas voltadas para adolescentes e jovens, em especial na prevenção da gravidez não intencional.

Quando uma gravidez não planejada acontece na adolescência, ela reflete a vulnerabilidade dos direitos sexuais e reprodutivos. Também costuma resultar na interrupção de projetos de vida e em oportunidades limitadas na vida adulta. Para prevenir essa situação, a ITAIPU e o UNFPA, ao lado da gestão municipal, desenvolverão um programa completo de prevenção, informação e capacitação.

Em 2019, serão oferecidos investimentos à região para produção e oferta de dados e pesquisas (gestão do conhecimento) e capacitações para profissionais. Também trabalharemos para aprimorar fluxos e reconhecer profissionais e serviços de qualidade desenvolvidos especialmente para adolescentes (fortalecimento institucional). Essas ações serão desenvolvidas com foco direto em adolescentes, adequadas à idade e com linguagem e metodologias validadas (projetos e tecnologias sociais), além de estratégias de comunicação e sensibilização.

Com os investimentos adequados, milhares de adolescentes e jovens no Oeste do Paraná terão a oportunidade de planejar o futuro que querem para si e para a comunidade onde vivem.

Ações prioritárias do projeto

Fortalecer a oferta de informações e educação, englobando ações de proteção, cuidado e prevenção da gravidez não intencional na adolescência.

Ampliar a acessibilidade e a qualidade da atenção nos serviços de saúde de forma a promover um espaço de informação e atenção para adolescentes.

Gerar conhecimento e evidências para melhorar as práticas e embasar políticas públicas.

Comunicar de maneira simples e eficiente, reforçando a mensagem e favorecendo a concepção, a implementação, o seguimento, a coordenação e a avaliação das atividades.

 

:: Saiba mais sobre o projeto e como participar ::

 

Gravidez na adolescência

Mães adolescentes acabam muitas vezes exercendo menos direitos básicos, como educação, saúde, lazer e trabalho. Quando adultas, acabam com mais dificuldade para entrar no mercado de trabalho remunerado e conseguir autonomia. Em geral, essas meninas são justamente as que têm menos escolaridade e suas famílias estão nos setores mais carentes da sociedade. Se elas constituem novas famílias, a possibilidade de quebra desse ciclo de pobreza e carência torna-se menor – situações que apontam para a necessidade de fortalecimento de trajetórias de adolescentes.

O Brasil está acima da média global de jovens que se tornam mães entre 15 e 19 anos. O percentual brasileiro é de 18,1%, comparado a média mundial que é de 10,9%. A gravidez não-intencional na adolescência apresenta relação com a desigualdade social, sendo mais frequente entre meninas e mulheres com maior vulnerabilidade. Está associada à escolaridade, a diferenças regionais e de territorialidade, assim como a questões raciais, étnicas, culturais e econômicas.

Confira abaixo as fotos do Primeiro Seminário Internacional para a Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná

Primeiro Seminário Internacional para a Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná