Você está aqui

UNFPA realiza formação com Comitê de Saúde de abrigo indígena em Roraima

Treinamento buscou capacitar os membros do comitê para lidar com questões relacionadas à saúde sexual e reprodutiva

Por Pedro Sibahi

Onde buscar apoio em caso de suspeita de ter contraído uma infecção sexualmente transmissível? Quais os cuidados que a mulher grávida deve ter no período pré-natal? Qual o período ideal de lactância? Essas foram algumas das questões abordadas no treinamento para os membros do Comitê de Saúde do abrigo indígena Jardim Floresta, em Boa Vista, Roraima.

A ação realizada pela equipe de saúde sexual e reprodutiva do Fundo de População das Nações Unidas ocorreu na quarta-feira, com três horas de duração. Os membros do Comitê de Saúde são pessoas refugiadas e migrantes que vivem no próprio abrigo e são voluntárias para se responsabilizar pelo apoio emergencial em questões relacionadas ao tema.

No caso do abrigo Jardim Floresta, é um local ocupado apenas pela população indígena, majoritariamente do povo Warao, mas também com a presença da etnia Eñepá. As temáticas da formação foram demandadas pelos próprios membros do Comitê de Saúde em reuniões com o UNFPA.

O conteúdo abordou temas como o funcionamento da rede de saúde brasileira, a importância e funcionamento do pré-natal, assim como os exames realizados. Também foi falado sobre a importância do planejamento reprodutivo no contexto de migração e do aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida. Com relação às infecções sexualmente transmissíveis, foram apresentados  os sintomas e medidas de prevenção, assim como o funcionamento dos serviços de saúde de Boa Vista que fazem os testes rápidos.

"Essa atividade foi muito importante para disseminar informações que irão garantir um melhor apoio para mulheres grávidas e puérperas, assim como evitar e tratar mais rapidamente casos de infecções sexualmente transmissíveis”, afirmou a assistente de proteção para saúde sexual e reprodutiva do UNFPA, Fernanda Alves. “Também vale ressaltar a importância de estimular o protagonismo do Comitê de Saúde como disseminadores de informações entre a população abrigada", concluiu.