News

Projeto de coleta eletrônica de dados para censos é destaque entre iniciativas de Cooperação Sul-Sul

18 Dezembro 2018
O Projeto de Cooperação Técnica “Centros de Referência em Censos com Coleta Eletrônica de Dados” está entre as cinco melhores ações de Cooperação Sul-Sul (CSS) em todo o mundo (Imagem: Divulgação)

O Projeto de Cooperação Técnica “Centros de Referência em Censos com Coleta Eletrônica de Dados” está entre as cinco melhores ações de Cooperação Sul-Sul (CSS) dos escritórios do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em todo o mundo. O resultado da competição de boas práticas foi divulgado no dia 24 de novembro. Participaram do painel de jurados representantes do UNFPA Global, do UNICEF e do Escritório das Nações Unidas para a Cooperação Sul-Sul.

O Projeto de Cooperação Técnica “Centros de Referência em Censos com Coleta Eletrônica de Dados” está entre as cinco melhores ações de Cooperação Sul-Sul (CSS) em todo o mundo. A competição de boas práticas foi feita por um painel composto por representantes de diversas áreas do UNFPA Global, do UNICEF e do Escritório das Nações Unidas para a Cooperação Sul-Sul. O resultado foi divulgado no dia 24 de novembro.

O Projeto “Centros de Referência em Censos com Coleta Eletrônica de Dados” é uma plataforma para o intercâmbio de experiências e a construção conjunta de abordagens inovadoras que permitam o reforço dos Centros de Estatística em África nos futuros censos. O objetivo desta ação é capacitar os Institutos de Estatística de Cabo Verde e Senegal, por meio da troca de experiências e conhecimento com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e o UNFPA, para atuarem como pólos multiplicadores no uso de tecnologias eletrônicas de coleta de dados para censos e pesquisas em outros países africanos.

Para o oficial do UNFPA para População e Desenvolvimento, Vinícius Monteiro, o projeto contribui para a implementação e o monitoramento  do alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, além das metas da Agenda 2063: A África que queremos.“O investimento no fortalecimento das capacidades  estatísticas dos países  seja para coletar, analisar, produzir e divulgar os dados e informações são cruciais para o alcance destes objetivos e para o desenvolvimento de políticas e ações que melhorem a vida das pessoas”, diz o oficial.

A iniciativa começou em 2014 com uma missão de prospecção para mobilização de países africanos. Seguiu em 2016 com a assinatura de um protocolo de intenções que orienta o projeto no âmbito da Cooperação Sul-Sul, assinado durante a Comissão de Estatísticas das Nações Unidas e, em 2017, cerca de 50 técnicos senegaleses e cabo-verdianos assistiram às palestras ministradas pelos 11 especialistas do IBGE, da ABC e do UNFPA que se deslocaram ao continente africano.

Em 2018, esse projeto contou com três missões diferentes: uma em Cabo Verde, no mês de fevereiro, outra em Camarões, no mês de março e a última em Bali, em setembro. Essas missões tiveram como objetivo o planejamento e a divulgação da segunda fase do projeto, que consiste na replicação da experiência para outros países do continente africano. Além disso, em julho deste ano, houve o lançamento oficial do site do projeto, onde é possível obter mais informações sobre a ação.