News

Profissionais com práticas exitosas na atenção integral a adolescentes participam de seminário no Paraná

29 Novembro 2019

Desde junho, o projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste Paraná tem capacitado profissionais da saúde, educação e assistência social por meio de encontros divididos em seis módulos. O quinto módulo foi realizado no dias 19, 20 e 21 de novembro, em três municípios da região, em um seminário de Boas Práticas de Atenção Integral a Adolescentes. Foram convidados para o seminário profissionais do Distrito Federal que compartilharam experiências exitosas no atendimento de saúde ao público adolescente.

A ideia do encontro foi trazer as experiências consideradas de sucesso e ampliar a troca de conhecimento com especialistas dos municípios paranaenses. Quatro palestrantes do Distrito Federal receberam o convite para participar em razão de terem recebido a certificação Chega Mais - Selo de Qualidade de Serviços para Adolescentes. O selo é concedido pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) a partir de critérios de qualidade, que envolvem desde acesso livre de discriminação até a integração em diferentes frentes de atendimento, a educação
permanente de profissionais e a participação social.

A oficial de programa em Saúde Sexual e Reprodutiva do UNFPA, Anna Cunha, destaca a importância do Selo. “Certificamos, em 2018, dezenove serviços no Distrito Federal, e quatro desses vieram para o Paraná compartilhar as experiências que fizeram a sua certificação. Então, são boas práticas do cotidiano dos profissionais de saúde que contam também com desafios muito semelhantes a atenção a adolescentes também do Paraná. Eles puderam compartilhar que tipo de soluções e que formas criativas que encontraram, as ações, e as práticas que puderam
identificar e que surtem efeito com adolescentes”, afirma.

 

Seminário Boas Práticas de Atenção Integral a Adolescentes

Experiências reconhecidas

O médico da Secretaria de Saúde do Distrito Federal da Gerência de Práticas Integrativas em Saúde, Marcelo Amaral, foi um dos convidados por trabalhar durante 16 anos desenvolvendo um programa de saúde de adolescentes por meio de um modelo voltado para a família. Segundo o profissional, é importante ter um seminário mostrando os benefícios dos projetos para os e as adolescentes e por poder fazer o intercâmbio com outros profissionais. “Acho que é muito importante ter espaço para ter esse debate no final das capacitações para podermos trocar as
experiências. Estamos aqui para aprender com a realidade dos profissionais no Paraná e também poder oferecer um pouco da nossa experiência. Isso faz crescer como profissionais”, destaca.

Outra convidada foi a enfermeira Helane Santana, que participa do “Fala Sério”, um grupo criado em 2015, voltado para o diálogo com adolescentes e que tratam de temas como a gravidez não planejada. Dentro do grupo, eles desenvolvem estratégias para atrair adolescentes para a conversa, como o Cinema com Pipoca, em que utilizam a cultura como um atrativo. Assim, começaram a desenvolver dinâmicas para esse público identificar as próprias necessidades.

A enfermeira destaca como o convite do UNFPA e receber o Selo auxiliou no trabalho. “Foi importante, pois a própria equipe se sentiu valorizada e reconhecida pelos trabalhos que realizam com os e as adolescentes. E essa troca de informação é muito importante devido à regionalidade, cada um trabalha de uma forma e essa troca de experiência vai ser muito importante para acrescentar em nossos trabalhos que desenvolvemos com outros adolescentes”, diz.

A ginecologista Giani Cezimbra participou do seminário representando o Adolescentro, também certificado com o Selo Chega Mais. Há 22 anos, o Adolescentro atende adolescentes em diferentes situações, como transtornos mentais ou vítimas de violência sexual, e com uma média de 5 mil atendimentos ao mês. “Tivemos dificuldade em atender a demanda enorme de adolescentes que têm apresentado dificuldades na saúde mental, conflitos familiares, dificuldades escolares e vários outros transtornos mais graves como autismo, esquizofrênia e outras
tantas patologias”, destaca. Ao longo do doutorado, a ginecologista estudou os impactos e a eficácia do uso de DIU por adolescentes. Aliado ao uso de preservativos, o insumo reflete atualmente em uma taxa zero de adolescentes grávidas atendidas.

As boas experiências com vítimas de violência também trouxeram a enfermeira Fernanda Santos Andrade para participar do seminário, representando o projeto PAV Girassol. “Atendemos crianças, adolescentes, mulheres, idosos, todos vítimas de violência interpessoal, física, sexual e psicológica e fazemos atendimento em grupo psicossocial. Estar no seminário tem sido uma experiência importante, temos percebido a necessidade mesmo que as pessoas têm de troca e informação”, explica.

Inspiração para ações locais

Entre os participantes das capacitações de profissionais do projeto no Oeste do Paraná que estiveram no seminário estava a pedagoga Silvana Marília, que destacou que já tem levado para sua escola os benefícios das capacitações. “Eu tenho comentado na escola onde trabalho que isso é que está engrandecendo, por que não fazemos ideia de como o trabalho do outro também tem suas limitações, que não é só na escola que você encontra essa limitação para fazer esse trabalho com os pais dos alunos”, diz.

A enfermeira Daniela Miranini Almeida participou de todas as cinco capacitações do projeto do UNFPA e diz ter sido positivo poder trocar experiências com outros municípios e de, agora, conhecer iniciativas também de outras regiões do país. “Aproveitamos muitas vezes esses exemplos e as experiências exitosas que estão acontecendo. Aproveitamos para criar e aplicar nos municípios”, diz.

Projeto conjunto entre UNFPA E ITAIPU Binacional

O seminário faz parte do eixo Saúde do projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná, iniciativa da ITAIPU Binacional e do UNFPA. Neste eixo, profissionais de saúde, educação e assistência social de 51 municípios têm recebido capacitação em diferentes temas, como violência, afetividade e sexualidade. Iniciado em junho, o ciclo de capacitações terá o sexto e último módulo no mês de dezembro.