News

Para especialistas, gravidez não intencional e falta de acesso a contraceptivos são um dos impactos da pandemia

7 Agosto 2020

Na última quarta-feira, o Fundo de População da ONU, em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), promoveram o debate virtual

Além das diversas consequências epidemiológicas, a pandemia da Covid-19 também vem interrompendo o acesso a informações e serviços de saúde sexual e reprodutiva. Especialistas se juntaram, em debate virtual, na última quarta-feira (05/08) para discutir os impactos no acesso aos métodos contraceptivos. O encontro resultou na 15ª edição da série de webinários População e Desenvolvimento em Debate, realizado pelo Fundo de População da ONU (UNFPA) em parceria com a Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP).

Federico Tobar, consultor regional do UNFPA em Sistemas de Saúde e Garantia de Suprimentos de Saúde Reprodutiva, apresentou resultados de pesquisas – frequentemente atualizadas - realizadas em toda a América Latina e Caribe desde o início da pandemia. “O indicador de necessidades insatisfeitas de planejamento familiar na  América Latina vinha caindo nos últimos anos. No início de 2020, chegou a 11,2%, e, com a pandemia da Covid-19, em agosto de 2020, chegou a 16,3%, revelando que cerca de 17 milhões de mulheres descontinuaram o uso de métodos contraceptivos, um retrocesso de até 27 anos”, compartilhou Federico. Dessa forma, o consultor acredita que neste momento é necessária uma ampla variedade de estratégias para que a população em situação de vulnerabilidade afetada possa, de alguma maneira, acessar os serviços de saúde e contraceptivos.

De acordo com Cristiane Martins Pantaleão, vice presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, “este momento de pandemia trouxe várias dificuldades e desafios para nós, gestores municipais e profissionais de saúde quando pensamos na continuidade da garantia do atendimento à população”. Nesse sentido, desenvolveram guias de orientação para a organização da rede de atenção à saúde, além de oficinas de capacitação para profissionais de saúde. “O Conasems trabalha para apoiar os municípios e os profissionais de saúde, e assim manter o atendimento e o acesso aos serviços de saúde, não só em relação aos contraceptivos, mas todos os serviços, principalmente vinculados à atenção primária”, explica Cristiane.

A coordenadora do ForoLAC/Reproductive Health Supplies Coalition, Milka Dinev, trouxe para a discussão exemplos de ferramentas disponíveis que auxiliam no acesso aos serviços. “A SEPREMI, plataforma de seguimento de preços de métodos contraceptivos e insumos de saúde sexual e reprodutiva, cujo objetivo final é que os governos tenham acesso a medicamentos e insumos a melhores preços e condições, dessa forma, podendo cobrir as populações em situação de vulnerabilidade”, explica Milka. A segunda ferramenta, MiPLAN, permite medir o impacto do investimento em planejamento familiar e em número de casais protegidos.

A mediação do webinário foi realizada por Astrid Bant, representante do Fundo de População das Nações Unidas no Brasil.

Assista esse debate na íntegra

 

A cada semana, a série “População e Desenvolvimento em Debate” promovida por UNFPA e ABEP realiza discussões entre academia, governo e sociedade civil sobre temas emergentes na Agenda de População e Desenvolvimento. Na próxima quarta-feira (12/08) o tema será:  “Pessoas jovens, adolescentes e a Covid-19”. Acompanhe no perfil do UNFPA no Youtube: youtube.com/unfpabrasil.

 

______________________________

 

VOCÊ JÁ OUVIU O PODCAST "FALA, UNFPA"?

O Fundo de População das Nações Unidas no Brasil lançou o podcast "Fala, UNFPA" que aborda temas como saúde sexual e reprodutiva, equidade de gênero, raça e etnia, população e desenvolvimento, juventude, cooperação entre países do hemisfério sul e assistência humanitária. Tudo isso, claro, a partir de uma perspectiva de direitos humanos. Saiba mais clicando aqui.