News

No Oeste do Paraná, diferentes iniciativas unem esforços em torno da adolescência

22 Agosto 2019
UNFPA se aproxima e apoia projetos de prevenção da gravidez não intencional na adolescência (Reprodução/UNFPA)

Promover e tornar conhecidos os direitos de adolescentes, mobilizar para ações de integração e oferecer apoio para que adolescentes e jovens consigam planejar o futuro e desenvolver seu pleno potencial. Esses são alguns dos objetivos comuns que movem diferentes iniciativas na região Oeste do Paraná e que têm sido potencializados por meio de projeto conjunto entre o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a ITAIPU Binacional.

 

As aproximações iniciaram em abril, com a chegada em Foz do Iguaçu de uma equipe de dedicação exclusiva ao projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná. Aos poucos, outros programas apoiados pela ITAIPU Binacional na região e que trabalham com o público adolescente foram recebendo apoio programático da equipe. Hoje, já são três as iniciativas que contam com a colaboração da equipe do UNFPA, todas com atendimento direto a adolescentes em situação de vulnerabilidade.

 

Redução nos índices de gravidez na adolescência

 

O primeiro projeto que contou com a aproximação e ação direta do UNFPA em Foz do Iguaçu foi o Anjo Gabriel. Criado em 2015 para atender gestantes moradoras do Jardim Canadá, na periferia de Foz do Iguaçu, o Anjo Gabriel acabou tendo como foco mães adolescentes, que são a maioria na região. “Nesses quatro anos de projeto, atendemos 125 mulheres. Dessas, 70% foram mães entre os 11 e os 15 anos de idade, 28% entre os 16 e 19 anos, e 2% tiveram o primeiro filho com 20 anos ou mais de idade”, explica a coordenadora do projeto Anjo Gabriel, Judite Dalcin.

 

De acordo com Judite, os altos índices de gravidez não intencional na adolescência no Jardim Canadá refletem a extrema vulnerabilidade em que vivem dezenas de adolescentes. “São meninas que vivem em meio à drogadição, à exploração sexual, sem saneamento básico, com famílias sem emprego, e que deixam a escola por causa de uma gravidez não planejada”, destaca. No projeto, as gestantes aprendem diferentes atividades, como corte e costura, confecção do enxoval do bebê, culinária e primeiros socorros. A exigência é que elas residam na região e estejam fazendo o pré-natal. De todas as que foram atendidas pelo projeto, menos de 10% tiveram uma segunda gravidez.

 

Com a aproximação da equipe do projeto conjunto entre UNFPA e ITAIPU, o Anjo Gabriel tem recebido apoio na divulgação de informações sobre saúde e direitos. E, por meio de apoio financeiro do UNFPA, em agosto inicia também o oferecimento de aulas de música. “Na última semana de agosto começam as aulas do coral com 50 crianças e adolescentes da região. Serão 10 meses de curso, com aula uma vez por semana. As crianças que passarão pelo coral receberão orientações, formação e a possibilidade de um futuro melhor”, afirma Judite. “Nossa expectativa é que, tirando essas crianças e adolescentes da rua, oferecendo mais cultura e conhecimento, elas possam ter mais perspectiva, inclusive evitando a evasão escolar e uma gravidez não desejada”, completa.

 

 

 

Projetos de vida e habilidades para a vida

 

Outra iniciativa que tem recebido o apoio da equipe do projeto conjunto entre ITAIPU e UNFPA é o Trilha Jovem Iguassu. Em sua décima edição e com 1.170 adolescentes e pessoas já alcançadas, o projeto trabalha com jovens de 16 a 24 anos e de baixa renda familiar. Com atividades no contraturno escolar, o projeto busca capacitar esses jovens para o mercado de trabalho, especificamente nas áreas de turismo, eventos, hospedagem e comércio.

 

Desde maio, algumas das turmas do Trilha Jovem receberam oficinas ministradas por profissionais do UNFPA. As atividades têm como temas norteadores o autoconhecimento, o cuidado consigo e os direitos sexuais e reprodutivos. “O Trilha Jovem busca a integração social de adolescentes e jovens. As oficinas ministradas conseguem trazer descobertas e informações importantes para este público”, afirma o coordenador pedagógico do programa, Wagner Grizort. “Muitos jovens da faixa etária que atendemos são mães e pais. As oficinas trazem esse despertar, a reflexão sobre o cuidado e o preparo para que possam construir suas famílias de maneira saudável. Esses jovens possuem voz. E, a partir do momento que eles têm esse conhecimento e podem multiplicar essas informações, temos uma juventude mais empoderada e mais responsável”, completa.

 

Oportunidades para superar vulnerabilidades

 

Em agosto foi a vez da aproximação com o programa ViraVida. Criado em 2008 pelo Conselho Nacional do Sesi Nacional, o ViraVida apoia jovens com idade entre 15 e 21 anos em situação de vulnerabilidade social. No Paraná, o programa existe desde 2010 e já alcançou mais de 1190 jovens. Desde 2014, o ViraVida mantém parceria também com a ITAIPU Binacional na busca por transformação de vidas por meio de conhecimento, desenvolvimento de habilidades para a vida e a inserção no mercado de trabalho. Além de capacitação profissional, o programa oferece apoio psicossocial aos jovens.

 

Uma das principais metas do ViraVida é garantir direitos fundamentais de acesso à educação, a profissionalização e à dignidade. Com a presença da equipe do projeto em Foz do Iguaçu, a parceria entre UNFPA e ViraVida, que já havia sido firmada em nível nacional, passa também a ter ações no Oeste do Paraná. Assim, neste ciclo, as duas turmas do programa em Foz do Iguaçu contarão com atividades semanais promovidas por profissionais da equipe do UNFPA.

 

“Um dos objetivos do ViraVida é trabalhar em rede e trazer novos parceiros, cada um com seu conhecimento específico, para propiciar o que há de melhor no momento e na nossa região para o público que atendemos. A parceria com o UNFPA vai nos ajudar em vários aspectos para o desenvolvimento desses jovens dentro das suas comunidades”, explica o psicólogo do programa ViraVida do Sesi no Paraná, Lucas de Abreu. “Nosso intuito não é só o trabalho dentro do espaço que a gente propicia para eles de segunda a sexta. A gente também quer que eles sejam potenciais dentro dos lugares onde eles estão instalados naquele momento para que possam disseminar conhecimento, desenvolver novas atividades, promover geração de renda dentro de suas comunidades, dentro das suas famílias, que tenham uma perspectiva de mundo que possam passar para frente”, completa.

 

Prevenção e redução da gravidez não intencional na adolescência

 

Assinado em 2018 entre UNFPA e ITAIPU Bincaional, o projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná vem sendo desenvolvido com o objetivo de fortalecer as capacidades sócio-institucionais nos municípios participantes. Com os investimentos adequados, milhares de adolescentes e jovens no Oeste do Paraná têm a oportunidade de planejar o futuro, fortalecer habilidades e projetos de vida para uma transição segura e saudável para a vida adulta, contribuindo para suas famílias e comunidades onde vivem.

 

O projeto conta com ações em quatro frentes: saúde, educação, gestão do conhecimento e comunicação. Na perspectiva do desenvolvimento econômico da região, ações nessas quatro frentes têm contribuído para o pleno desenvolvimento e fortalecimento das trajetórias de vida de adolescentes e jovens. As ações também têm foco no desenvolvimento socioeconômico, criando e ampliando oportunidades para que adolescentes e jovens ajudem na construção de serviços acolhedores de saúde e também tenham garantidas condições de ampliar suas habilidades para a vida e competências socioemocionais.