News

Fundo de População da ONU e setor privado planejam ações para 2020

6 Março 2020
Participaram do encontro, representantes do Instituto Ethos, MSD e Semina (Foto: UNFPA Brasil/Juliana Soares)

Reunião com Comitê Diretivo da Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil foi realizada nesta quinta-feira, 5, em São Paulo

Discutir o atual cenário da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos no Brasil e pensar em estratégias e ações para 2020. Estes foram os principais assuntos que guiaram o Comitê Diretivo da Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil em reunião realizada nesta quinta-feira, 5, em São Paulo.

“Essa Aliança é uma iniciativa inovadora em escala global. O UNFPA atua como um secretariado executivo da Aliança, e temos o prazer em apoiar o grupo e amadurecer esta iniciativa, dessa forma, propor ações concretas para o ano de 2020”, destacou a representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant. “Nosso papel é garantir que esta rede do setor privado tenha infraestrutura e base para avançar nessa importante pauta”, completou.

Para Kelly Aguilar, Senior Specialist for Government Relations MSD Brasil, é importante que haja ações relacionadas ao tema prevenção da gravidez não intencional na adolescência para 2020 e em diante. “Um dos caminhos para tratar deste tema é abordá-lo pela perspectiva de 'projetos de vida' que oferecem alternativas à gravidez”, ressalta Aguilar.

Durante a reunião, foram lembrados os avanços da iniciativa em 2019, como o crescimento da campanha e o lançamento do edital Ela Decide - com foco em violência de gênero - além de brevemente discutir, a título de inspiração, outros projetos conduzidos pelo UNFPA como o Projeto e caravana Tá no Rumo - com foco em planejamento de vida a adolescentes e ações em Roraima com mulheres indígenas e não-indígenas migrantes e refugiadas.

Também foram debatidos planos para 2020. Entre eles estão o lançamento do segundo edital Ela Decide para apoiar pequenos projetos ligados à pauta da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos no Brasil, que ainda precisará obter recursos para sua execução, além de novos materiais e guias práticos com pauta semelhante direcionados ao ambiente corporativo.

Participaram do encontro, representantes do Instituto Ethos, MSD e Semina.