News

Fundo de População da ONU debate parcerias com coordenador de juventude de Duque de Caxias

10 Outubro 2019
Coordenador de juventude do município de Duque de Caxias (RJ), Ewerton Vital, entregou a moção "Parceiros da Juventude" em reconhecimento aos trabalhos prestados pelo Oficial de Programa em Juventude, Caio Oliveira (Foto:Divulgação/Ewerton Vital)

O coordenador de juventude do município de Duque de Caxias (RJ), Ewerton Vital, visitou o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) nesta terça-feira, 8. Ele apresentou alguns dos projetos de investimento em pessoas jovens do município e colocou-se à disposição para ampliar o debate e estabelecer futuras parcerias.

Conforme explicou o oficial de programa para Juventude e HIV do UNFPA, Caio Oliveira, o investimento na juventude é urgente: no Brasil, são quase 50 milhões de jovens, e ao menos 11 milhões deles estão fora do mercado de trabalho e das instituições de ensino, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). “Temos a maior geração de jovens da história no Brasil e no mundo. Não podemos perder a janela do bônus demográfico, que é quando temos mais população ativa em capacidade de produção do que o contrário. É muito importante olhar para as demandas dos setores produtivos e fornecer capacitações”, observou.


Em visita a Brasília, Ewerton Vital apresentou projetos e conheceu atuação do UNFPA na capacitação e empoderamento de jovens (Foto: UNFPA Brasil/Fabiane Guimarães)

Caio Oliveira apresentou o projeto realizado em parceria com o Governo do Distrito Federal (GDF), já em andamento, que prevê uma série de capacitações e direcionamento ao mercado de jovens, inclusive que estão passando por medidas socioeducativas no DF. O projeto prevê a chancela das Nações Unidas para aquelas empresas que estiverem dispostas a acolher novos funcionários capacitados por este modelo.

Ewerton Vital, por sua vez, apresentou o leque de projetos de juventude do município: são iniciativas na saúde, como a capacitação de jovens para falar sobre saúde sexual e reprodutiva em unidades básicas de saúde, em um programa de prevenção à gravidez não intencional e ao HIV, por exemplo; financiamento de jovens ligados à tecnologia para desenvolvimento do setor em comunidades; fomento à formação de jovens da área rural, entre outros.

“Conseguir reestruturar e formar essa juventude é nossa prioridade. Se perdemos o timing, não conseguimos formar e desenvolver essa geração. Estamos abertos para contar com apoio do Fundo de População da ONU”, afirmou o coordenador.