News

Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos são temas de oficina virtual com lideranças de terreiros, quilombos e movimentos sociais

8 Dezembro 2020

Fundo de População da ONU  e SEPROMI realizaram ação conjunta abordando tratamentos, maneiras de cuidado e informações compartilhadas que reforçam a importância das entidades na garantia de direitos

O Fundo de População da ONU (UNFPA), juntamente com Secretaria da Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), realizou quinta-feira (03), a oficina "O Cuidado é Sagrado" que abordou a relação dos Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos e os saberes tradicionais, e ainda apresentou um histórico das Políticas de Saúde da Mulher e do Homem e Saúde da População Negra. 

O objetivo é envolver as lideranças de terreiros, quilombos e movimentos sociais em diálogo com o tema da saúde sexual e saúde reprodutiva, direcionando o debate para a reflexão do papel social das entidades e de seus membros como espaços para formação e prática de promoção da saúde. 

“O tema desta oficina é relevante para o fortalecimento no campo dos direitos, que nos faz pensar os direitos sexuais e reprodutivos, e que é complementado por essa troca de saberes tradicionais. Realizar essa atividade é saber que terá um desdobrar no contexto das famílias de quilombos e terreiros” disse Fabya Reis, Secretária da SEPROMI. 

A facilitação da oficina foi realizada por Simone Alves, assistente social e atuante no Projeto Força Feminina - Rede Oblata Salvador, que proporcionou uma troca de saberes sobre cuidado do corpo, contextualização histórica sobre política públicas de saúde voltadas ao público específico, como também informações e tratamentos de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). E ainda reforçou a importância de terreiros, quilombos e movimentos sociais como espaços empoderadores da população LGBTQI+, da igualdade de gênero e de jovens e adolescentes. Simone Alves também estimulou o compartilhamento de conhecimentos sobre ervas medicinais.     

“Antigamente, as nossas mães não usavam medicamentos de farmácia, a cura era feita com as folhas. (...)  E nós temos uma variedade de folhas e raízes, então trazer esse conhecimento para nossa juventude é muito importante” relatou Milca Martins Evangelista, representante do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos da Bahia (Sindoméstico).  

Para Michele Dantas, Oficial de Projeto do UNFPA na Bahia, e responsável pelo escritório do UNFPA na mesma localidade, a oficina teve o intuito de promover o intercâmbio de saberes para a construção coletiva da saúde sexual e reprodutiva reafirmando a presença do UNFPA e a parceria com a SEPROMI. “Entendemos que os terreiros são espaços sagrados, religiosos e de resistência ancestral e que tem uma atuação importante no compartilhamento de informações sobre cuidado e saúde em geral. E isso reflete no avanço dos direitos de mulheres, homens, jovens e adolescentes.”

A oficina "O Cuidado é Sagrado" possuiu um desdobramento na doação de 1000 kits de limpeza para apoiar a prevenção do contágio da COVID-19, composto por álcool 70, água sanitária e sabão em barra, para 11 entidades, são elas: Quilombo Quingoma, Quilombo Rio dos Macacos, Abassá de Ogum, Rede de Mulheres Negras, SINDOMÉSTICAS, Terreiro Casa do Mensageiro, Ilê Axé Opó Afonjá, Coletivo de Entidades Negras (CEN), Remas, Terreiro Tumba Junçara e Terreiro de Lembá. 

Além dessas comunidades, também participaram da oficina: Terreiro Ecumênico de Matriz Africana Kingongo do Quilombo Quingoma de Kingoma, Humpsyme Dan, Taata Swikangoma, Dandoloni Matumbi Lembacessi N'zamb, Tumba Junsara, Unzo Unge Kafunge Mavilla, Abasá de Ogum, Ylê Ala Orum Ayiê de Valeria, Ilê Asé Ojisé Olodumare, Unzo kwa Mpaanzu e Ilê Axé Opô Afonja, 
 

_____________________________

VOCÊ JÁ OUVIU O PODCAST "FALA, UNFPA"?

O Fundo de População das Nações Unidas no Brasil lançou o podcast "Fala, UNFPA" que aborda temas como saúde sexual e reprodutiva, equidade de gênero, raça e etnia, população e desenvolvimento, juventude, cooperação entre países do hemisfério sul e assistência humanitária. Tudo isso, claro, a partir de uma perspectiva de direitos humanos. Saiba mais clicando aqui.