Statement

Por conta da Covid-19, 2 milhões de casos adicionais de mutilação genital feminina são esperados durante a próxima década

5 Fevereiro 2021

Declaração por ocasião do Dia Internacional de Zero Tolerância à Mutilação Genital Feminina
Diretora-executiva do UNFPA, Natalia Kanem
Diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore

 

Dois milhões adicionais de casos de mutilação genital feminina podem ocorrer ao longo da próxima década, uma vez em que a Covid-19 fecha escolas e interrompe programas que ajudam a proteger meninas desta prática nociva.

Nós precisamos agir agora para impedir que isso aconteça.

Mesmo antes de a Covid-19 suspender o progresso, a meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)de acabar com a mutilação genital feminina até  2030 era um compromisso ambicioso.

Muito longe de diminuir nossa ambição, no entanto, a pandemia tem aguçado nossa resolução em proteger 4 milhões de meninas e mulheres que estão sob risco de mutilação genital feminina todos os anos. Aqui está como:

Nós precisamos nos unir. Acabar com a mutilação genital feminina requer colaboração entre um amplo grupo de partes interessadas. Isso inclui formuladores de políticas públicas a nível global, regional, nacional e local; sociedade civil de pequenas organizações de base, grupos de direitos das mulheres a líderes religiosos e lideranças idosas locais; assim como autoridades policiais e judiciais. Homens e meninos também têm um papel fundamental a cumprir. Juntos e juntas, devemos também ampliar as vozes poderosas e persuasivas de sobreviventes que estão cada vez mais liderando mudanças transformadoras em suas comunidades.

Nós precisamos financiar nossos esforços na mesma medida do nosso compromisso. Mesmo nos países onde a mutilação genital feminina já está diminuindo, progresso precisa aumentar dez vezes de forma a alcançar a meta global de eliminação até 2030. Isso requer mais 2,4 bilhões de dólares ao longo da próxima década, o que corresponde a menos de 100 dólares por menina. Este é um preço pequeno a ser pago para preservar a integridade do corpo de uma menina, sua saúde e seu direito em dizer “não” à violação. No entanto, a maior parte desse dinheiro ainda precisa ser arrecadada.

Nós precisamos agir rapidamente, decisivamente e em múltiplas frentes simultaneamente. Nós precisamos garantir que meninas tenham acesso à educação, atendimento em saúde -- inclusive serviços de saúde sexual e reprodutiva -- e meios de subsistência, e que estejam protegidas por leis, políticas e novas normas sociais. Deixe-nos encorajar as habilidades de liderança de jovens adolescentes e seus pares, e inspirar seu poder em erguer a voz e dizer “chega” para todas as formas de violência, inclusive violentas agressões a seus corpos.

As mesmas intervenções que vão acabar com a mutilação genital feminina também vão apoiar o poder e a liberdade de meninas e mulheres em exercer seus direitos humanos, alcançar seu potencial e contribuir totalmente a suas comunidades e futuros. A eliminação da mutilação genital feminina e a equidade de gênero são objetivos interdependentes e que se reforçam mutuamente. Simplificando, se a equidade de gênero fosse uma realidade, não haveria mutilação genital feminina. Este é o mundo que imaginamos, e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável traçam o caminho para nos levar até lá.

Nós sabemos o que funciona. Nós não toleramos desculpas. Nós já tivemos violência contra mulheres e meninas suficiente. É hora de UNIR em torno de estratégias comprovadas, FINANCIÁ-LAS adequadamente e AGIR. 

Este texto é uma tradução. Leia o original aqui: www.unfpa.org/press/2-million-additional-cases-female-genital-mutilation...